Informações da internet sobre dieta na doença de Crohn e retocolite podem induzir ao erro

Há tantas informações conflitantes sobre dieta que os pacientes com doença inflamatória intestinal (DII) muitas vezes recorrem a sites e fóruns em redes sociais para descobrir qual a melhor dieta para a doença de Crohn e a retocolite ulcerativa. Recentemente alguns pesquisadores revisaram os conselhos de alimentação encontrados em sites para determinar quais tipos de dieta as pessoas “indicam” para os portadores de DII a fim de saber quais dietas ajudam e quais prejudicam.

A conclusão da investigação é que existe uma necessidade premente de estudos sobre como alguns alimentos específicos podem afetar as bactérias do intestino e, portanto, influenciar o curso da DII. Algumas dietas são restritivas, conflitantes e podem levar a deficiências nutricionais, além de serem completamente desnecessárias.

Dietas conflitantes sobre DII na internet

Os pesquisadores descobriram que as informações mais conflitantes estão relacionadas ao consumo de frutas e vegetais. Já ao contrário, como exceção, os vegetais crucíferos, álcool, bebidas gasosas e açúcares foram recomendados para serem evitados em 100% dos sites investigados. Também em todos os sites foram recomendados legumes cozidos e proteínas magras, como aves.

Em relação à doença de Crohn, 100% dos sites recomendaram excluir alimentos gordurosos e fritos, contra 71% dos sites sobre retocolite ulcerativa. Os autores deste estudo disseram: “Nossa análise de buscas na internet demonstrou que as recomendações dietéticas alvo dos pacientes com DII são altamente restritivas e frequentemente conflitantes. Essas recomendações podem confundir o paciente e induzi-lo a fazer dietas desnecessárias e restritas, o que é perigoso, pois normalmente já são pacientes em risco de deficiências nutricionais”.

Informações sobre dieta na doença de Crohn e retocolite

Dietas específicas

Sabemos que a dieta não é responsável pelo aparecimento das doenças inflamatórias intestinais e apenas a dieta por si só não causa um impacto grave na doença, porém estudos de longo prazo são escassos para sabermos ao certo a influência da dieta sobre as DII. Os pesquisadores do estudo reconheceram o recente foco sobre o papel das bactérias do intestino e a inflamação intestinal.

Três dietas defendidas para a doença de Crohn e a retocolite ulcerativa que podem ajudar “na teoria” ainda não foram submetidas a estudo científico rigoroso. São elas: a dieta do carboidrato específico (DICE), dieta paleolítica (Paleo) e dieta dos monossacarídeos, dissacarídeos e oligossacarídeos fermentáveis (FODMAP).

A DICE é restrita em carboidratos como glicose, frutose e galactose. A dieta FODMAP sugere restringir muitos legumes e frutas, mas não todos. Elas alegam que os carboidratos devem ser evitados porque são pouco absorvidos e podem levar ao crescimento excessivo de bactérias no intestino e que podem agravar a inflamação.

A dieta Paleo é recomendada sob a alegação de ser mais parecida com a alimentação dos nossos antepassados, na época das cavernas, e portanto seria menos agressiva para o intestino. No entanto os autores advertem que não há teoria mecanicista para apoiar que esta dieta acaba ou ao menos diminui a inflamação.

O achado reforça a frustração com a falta de orientações nutricionais da comunidade da saúde para os pacientes com DII e que informações errôneas são frequentemente divulgadas na internet.

Os pesquisadores reforçam a necessidade de estudos que provam a influência da alimentação nas DII.

Se você quiser saber mais sobre assuntos publicados aqui, leia esses nossos textos:

Dieta do Carboidrato Específico

Restabelecer o equilíbrio das bactérias intestinais pode reduzir as crises

Grupo específico de bactérias em pacientes com DII

Assuntos Relacionados
Talvez você goste também
Comentários

Your email address will not be published. Required fields are marked *