Colite Ulcerativa

O que é a Colite Ulcerativa?

A Retocolite Ulcerativa (RCU), ou colite ulcerativa, ou ainda colite ulcerosa é um dos tipos mais comuns da doença inflamatória intestinal (DII) e foi primeiramente descrita no final do século XIX. Esta doença pode ser identificada ou descrita através da extensão da inflamação no cólon. O cólon e o reto são as principaos afetadas pela RCU, que diferentemente da doença de Crohn nunca afeta outras partes do trato gastrodigestivo. Desde a sua descoberta o tratamento e suporte ao paciente vem melhorando consistentemente. No passado, intervenções cirúrgicas era o meio mais usado para tratamento da doença e em consequência disso muitos pacientes tinham uma curta sobrevida. Hoje em dia, morte por conta de complicações dessa doença pode ser considerado raro.

Colite UlcerativaA prevalência da doença no Brasil é desconhecida, mas alguns estudos sugerem que cerca de 100 a cada 100.000 pessoas tenham a doença. Mundialmente a incidência da colite ulcerativa é de cerca de 1.2 a 20.3 casos em cada 100 mil pessoas por ano e a prevalência é de 7.6 a 246 casos em cada 100 mil pessoas por ano. (Dados obtidos do New England Journal of Medicine – NEJM)

O início dos sintomas parece ter o ápice entre 15 e 20 anos e entre 55 e 60 anos, mas pode aparecer em qualquer idade. A doença não tem predileção por sexo e ainda não há cura sem que seja por métodos cirúrgicos.

Como mencionado acima, na RCU, a inflamação intestinal é limitada ao cólon, ou intestino grosso, que inclui o reto. O restante do sistema gastrointestinal não é envolvido. A extensão da doença no cólon varia de pessoa para pessoa ou pode variar até mesmo em uma mesma pessoa em diferente estágios da doença. O reto, porém, sempre é afetado, isto pode explicar a maior frequência de sangramento visto em pacientes com RCU do que aqueles com doença de Crohn.

Qual o prognóstico da Colite Ulcerativa?

Pelo fato da inflamação ser limitada ao reto e ao cólon quando consegue-se controlá-la o intestino estará apto a regenerar-se e retornará, se não totalmente à normalidade, quase que totalmente.

Leia mais sobre: